terça-feira, 1 de agosto de 2006

Semana Mundial da Amamentaçao


Essa semana 1 a 7 de Agosto é a semana mundial da Amamentaçao.
Mais de 120 países estao comemorando a data e nós estamos hoje,por iniciativa da Denise fazendo uma blogagem coletiva.

Acredito que mais do que informaçao sobre os benefícios da amamentaçao, nos falta mais conscientizaçao.
Informaçao é fundamental e conscientizaçao idem.
Mas nada como a própria experiencia para ilustrar melhor o assunto.
Eu quis amamentar os meus filhos, e querer é na minha opiniao o primeiro grande passo para que as coisas funcionem bem.
O que deveria ser natural, nem sempre é tao simples, e pode causar muitas vezes insegurança e estress.
O pediatra do nosso primeiro filho era um grande defensor da amamentaçao e foi isso que também fez com que eu me sentisse mais motivada.
Quando meus seios racharam, e eu me sentia pronta a desistir, ele me disse uma frase, que parece tao simples, mas que foi de grande valia na época:
-Leite de vaca é para bezerrinhos.
Parece uma bobagem,mas essa frase foi a minha grande motivaçao.
Todo bebe e toda mae sao diferentes, assim como a experiencia de cada um.
Vantagens,sao inúmeras, eu adorava nao ter que carregar toda aquela tralha atrás de mim, achava o máximo ter o leitinho ali na hora que eles bem quisessem e na temperatura certa,nao ter que lavar mamadeiras, sem contar o fato de que nada substitui aquele momento tao especial de mae e filho.
Mas mesmo eu sabendo disso tudo e ter vivido uma experiencia tao positiva com o primeiro filho, amamentei o meu segundo filho só por tres meses, para poder fazer "dieta". O estress foi muito maior, porque o Thomas era alergico à lactose (e ainda é), o que nós até entao nao sabíamos.
Juliana foi amamentada exclusivamente no seio até os seis meses (e até entao eu jurava que isso nao existia), e a Gaby mamou até os 9 meses.
Nao gostava de amamentar em berçários, eles sao sempre abafados e na maioria das vezes contíguos à banheiros femininos.
Acho isso um horror, aqui na Alemanha nao é muito diferente, ainda nao vi um berçário simpático ou pelo menos agradável e só vejo os berçários porque eles aqui também estao junto aos fraldários e banheiros femininos.
Sempre amamentei as crianças quando e aonde eles tinham vontade, jogava uma fraldinha por cima, e só, isso quando eles nao puxavam e jogavam no chao.
As pessoas, pelo menos no Brasil, quando olham geralmente é com olhar de ternura, nunca ninguém me lançou um olhar de reprovaçao.
Também me desesperei, e me senti péssima quando eles berravam e eu corria pra mamadeira.
Amamentar tem que ser prazeroso, para ambos, e é sobretudo um ato de amor e doaçao.
Ainda existem muitos mitos a serem derrubados em torno da amamentaçao:
-Nao, gente os peitos nao caem.
-Nao existe leite fraco, nem "aguado",quanto mais o bebe suga mais leite é produzido,por isso, estímulo sempre.
-Escute o seu coraçao e se informe, a tia, a amiga, a vizinha, a mae e a sogra, sao pessoas ótimas mas ninguém melhor do que voce vai saber o que é melhor pra voces dois.
-Voce nao é menos mae e nem pior que as outras se no começo o bico do seio fissurar, se voce se estressar. Tempo e paciencia, sao fundamentais.
-Nunca duvide de que o seu leite é o melhor alimento pro teu filho.
Como eu tinha o meu próprio negócio,pude amamentar as crianças sem problemas, mas nao é o que ocorre com a maioria das maes.


Na Alemanha existem Leis de Proteçao à mae que está amamentando e ao lactente.
Como pausas para amamentaçao de 1 hora por dia, que podem ser divididas em duas vezes ao dia por meia hora.
A mae tem o direito de ter um lugar adequado para amamentar o bebe, no local de trabalho.
Se a mae trabalhar mais de oito horas, entao aumenta-se para 45 minutos divididos em duas vezes ao dia, ou uma vez de 1 hora e meia,que nao serao descontados no seu salário,nao estao aí inclusos a pausa para o almoço.
As maes que estao amamentando, nao devem particar trabalhos pesados, ou qualquer trabalho que posssa prejudicar diretamente a sua saúde ou do lactente,como inalaçao de gases, exposiçao ao calor extremo, poeira, ou barulho extremo entre outros.
Maes amamentando também nao devem trabalhar aos sábados, domingos e feriados, bem como entre 20:00 e 6:00 da manha.
A licença maternidade varia de 4 a 12 semanas após o nascimento do bebe, que podem ser negociadas, se a mae tiver gemeos, ou se o bebe for prematuro.
Nao prestei atençao se as maes alemas amamentam em público, mas mesmo no Brasil, a maioria das minhas amigas amamentavam em berçários ou fraldários.
Às vezes a coisa simplesmente nao funciona, tenho amigas que tentaram muito e nao conseguiram e isso nao quer dizer que nao amam o seu filho.
Mas quando será que amamentar deixou de ser natural pra virar exceçao?

O Logo aí ao lado é o Breastfeeding Friendly,algo como Amigos do peito, desenvolvido pela Leche Liga do Canadá.
Para ser colocado em todos os lugares onde a amamentaçao é encorajada e Bem vinda.
Iniciativa bárbara.

9 comentários:

Ana disse...

É impressionante como a mesma mãe pode ter quatro histórias diferentes de amamentação. O que comprova que o estado de espírito é tudo.
E o resultado, é sempre compensador!

luma disse...

Também ouvi isso do pediatra do meu filho: Leite de vaca é para bezerros. Meu filho mamou no peito e quando parou não quis tomar o leite de vaca. Sente nojo. Que coisa! Eu sou uma eterna bezerra, adoro leite e tal qual o meu filho, mamei até os 3 anos. Beijus

BethS disse...

Ola, Carla
Sorte sua ter um médico que é a favor da amamentação. Tem muitos que já incentivam o uso do leite em pó assim que o bebê sai da maternidade, com a justificativa de que é pra maior conforto da mãe.
Beijo pra voce e suas crias!

Telma disse...

Quantas histórias lindas as mães que amamentam têm pra contar !
Vc é um ótimo exemplo!
Beijos

Roseane disse...

Vim conhecer e participar da blogagem coletiva...Muito legal!!!

Ciça disse...

Carla eu conto nos dedos de uma única mão as mães alemãs que amamentaram seus filhos até os 6 meses. E não conheço NENHUMA criança que não tenha recebido leite artificial na maternidade. Agooora, as mães mais novas, estão começando a bater pé em determinados quesitos na tentativa de uma amentação prolongada (6 meses quero dizer) e isso começa na mudança de postura das stillberater, ou seja é quanse uma mudança de cima para baixo!!

Regina disse...

Carla,

Muito interessante como a sua experiencia variou de filho para filho. Eu tambem sempre achei amamentar super pratico, alem de todos os outros beneficios, e' claro!

Quero aproveitar tb para dizer que ja venho lendo o seu blog ha um tempo mais ainda nao havia deixado nenhum comentario. Eu gosto da maneira como voce escreve sobre a suas peripecias em familia. Acho bem divertido.

O meu marido nasceu e foi criado em Mainz, que fica bem pertinho de Frankfurt. Eu ja estive ai varias vezes e tenho boas lembrancas. Meus filhos tambem ganharam uma Schultuete quando comecaram a escola, so que na California.:-)

Tudo de bom para voce e sua familia.

Beijos,

Regina

Marcia Teperman disse...

Carlita,

Venho lendo seu site, e começando achar o meu bem bobinho, cheio de fotinhos do meu querido Yonathan, mas sem muito conteúdo. Estou até pensando em escrever um pouco mais sobre a minha experiência de dar a luz e ser mãe na Austrália. Eu amamentei até 6 meses, quando na verdade o pequeno ficou bem feliz de passar a mamar na mamadeira, que ele mesmo segurava enquanto podia ver o que passava ao redor (isso porque ainda não inventaram nenhuma posição que eles possam mamar no seio da mãe e olhar o que passa ao redor), com isso, ele teve o que queria, e eu fiquei feliz de ter passado para o próximo estágio, natural evolução, como acontece com a introdução do sólidos, etc...etc...ele literalmente estava como se diz em inglês um "fussy drinker" e eu não querendo entender as dicas dele, enchia a cara do moleque de
leite, pois achava que ele não estava bebendo nada. Tinha que amamentar no escuro e no silêncio total. Foi quando a ficha caiu e quando voltamos da visita à Israel, fui tirando o peito devagar.

Aqui na Austrália, eu não fui liberada do hospital depois de 48 horas, pois não estava amamentando corretamente e aquela altura já estava com o bico rachado que durou 4 meses, até achar uma médica competente que acredita em amamentação e que pode tratar da minha mastite + candidíase nos dois seios + obviamente o bico rachada que continuava um desastre. Fui liberada depois que duas especialistas passaram 24 horas me acompanhando e me ensinando o que fazer, enquanto o pequeno ganhava peso para poder sair. Dois dias depois, um novo encontro com a especialista. Todos os problemas de saúde que eu tive não me desanimaram, eo Yonathan, era aquele bebê que mamava de 1 à 1 hora e meia.

Enfim, o que eu quero dizer, é que eu concordo plenamente com vc que amamentação é excelente desde que ambos estejam felizes, mas é uma pena que em certos países as mulheres fiquem na mão de médicos machistas que não tem o menor interesse na humanização do parto e no incentivo da amamentação. Mulheres do Brasil, abram os olhos, e sigam o exemplo da Carla, pois muita coisa está sendo perdida na experiência da maternidade, por causa do domínio do meio médico machista e das comodidades do sec XXI.

Falei! Grande beijo e parabéns pelo seu site.

Marcia

Sandra disse...

Parabéns por sua iniciativa e pela campanha!