sexta-feira, 22 de fevereiro de 2008

Coisas que abalaram a minha auto-estima

Nada melhor do que a sua mente estar completamente vazia e se deparar com o post delicioso da Ciça.

E como ela mesma disse a ordem dos fatores nao influem no grau do abalo.

-Nunca ter sido a noivinha da festa junina.
-Ter dançando quadrilha com o menino mais feio da escola.
-Ter dançado quadrilha vestida de menino.
-A minha paixao platônica aos 10 anos já sabia o que era cirurgia plástica e me disse na lata que poderíamos namorar se eu fizesse uma.
-Nunca aprendi a virar estrela.
-Nunca consegui fazer espacate.
-Eu nao tinha o cabelo comprido e liso batendo na bunda.
-Mocinhas de novelas e filmes nao se chamam Carla. (putas e travestis já nao digo o mesmo).
-Meu "ficante" me trocou por uma amiga.
-Engordei um montao em todas as gravidezes.
-Nos anos 80 cortei o cabelo à La Chitaozinho e Xororó e tive a certeza de ter ficado a cara da Luciana Vendramini.
-Nunca era escolhida para o time de vôley na escola.
-Só fui usar maquiagem aos dezesseis anos, e mesmo assim só um batonzinho cor de calcinha.
-O Paulo Ricardo do antigo RPM nunca me notou e eu fiquei anos à espera.
-Nunca fui a melhor aluna da classe. (aliás, um tanto longe disso).
-Meu pai nunca teve um Opala Diplomata.
-Eu nunca tive um Wallkman.
-Tive de botar unhas postiças pra casar porque as minhas estava roídas até o talo.
-Nao aprendi a tocar piano.
-Assistir às aulas de física como se fossem aulas de mandarim.
-Nao existia nenhuma música romântica com o meu nome. Aliás, nao existia nada com o meu nome, nem música,nem personagem de coisa alguma. O que fazer com um nome sem rima?
-Ter que cortar o cabelo máquina 3 aos 7 anos de idade por ter pegado piolho e ir pra escola assim mesmo.
-Nao ter tido uma caixa de canetinha com 30 cores. (Isso é trauma dos grandes).
-A Gaby ter dito pra um estranho: -A minha mae tem o peito "té" aqui baixado.
Vocês nao querem saber "té" aonde né?

A vida é difícil e eu assim como a Ciça, sofri um bocado, por isso nao me culpem, eu tenho mil motivos para ser assim.

19 comentários:

Sergio e Marilena disse...

Olá Carla,

estou de certa forma feliz que não fui a unica com tantos traumas na vida. Mas vc pode começar a melhorar já que a música com seu nome já existe (http://letras.terra.com.br/ls-jack/73615/).
Meu trauma com piolhos também foi grande porque alem de cortar o cabelo "joãozinho" com 7 anos, minha mãe os manteve curtinhos até eu me rebelar aos 14.
Mas veja o lado bom, alem de ter uma boa desculpa pra sermos assim ainda temos um monte de histórias pra contar.

Marilena

Patricia disse...

Oi Carla, eu também tive uns traumas q abalaram a minha auto-estima.. infelizmente acho q todo mundo tem ou teve... (esse tipo de coisa é melhor esquecer)
O corte "joãozinho" eu tb já tive, lembro que chorei muito! :p Minha(s) futura(s) filha(s), não vai (vao) passar por isso nunca!!

Mi disse...

realmente nao ter tido a canetinha de 30 cores é traumatico! hehe engracado como coisinhas tao pequenas podem ficar nas nossas lembrancas por tantos anos! bjs!

Ciça Donner disse...

Eu sei minha linda... eu sei... a vida nao foi fácil para nós! mas no entanto, estamos aqui, lindas, leves, loiras, maravilhosas... e Paulo Ricardo??? Ouviu falar dele??? Robby entao nem se fala!!!

E que porra é espacate?????????

Ciça Donner disse...

AAAAAAAAHHHHHHHHHHH é arreganhar as pernas??? Ah nao... mamae nunca deixou eu fazer isso nao. Anos mais tarde descobri que era para nao romper o himem!!

Ingrid Helena disse...

hahahahah ótimo post.

Compartilho de vários desses traumas :P Ser pobre é uma..coisa medonha mesmo heheh

beijos
Ingrid

Anunciação disse...

E eu que não dancei quadrilha com menino nenhum,nem feio nem bonito?Tou quase com vontade de fazer um troço desses;o problema é que morro de preguiça de pensar e odeio me lembrar desses traumas.

Anônimo disse...

Desde quando fazer espacate rompe o himen????

Ana disse...

Carla amei o Post... eu tenho v�rios traumas de infancia, mas a gente tem que passar por cima deles...kkkkkkkk s� de lembrar me da arrepios kkkkkkk
Um beijo grande amigaaaaa

Paula disse...

kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
só lendo o seu blog pra animar esta segunda-feira! Amei!

luma disse...

Menina, você e a Ciça formam "A dupla" - Fiquei pensando o que é espacate, serei uma traumatizada também?? Beijus

Vanessa disse...

Hahahahahahha
Adorei! Um de meus maiores traumas foi nunca ter conseguido rodar bambole. Nunca. :-(
Beijos,
Vanessa (inconfidenciamineira.com)

Scliar disse...

Desculpe, gentem... Num é quantidade não! Trauma se mede por qualidade! kkk Alguém PULAMOR DE DEUS perdeu um pivo no primeiro beijo de adolescente? Pois entao. Fui eu! MAs detalhes ficam prum post, né?
Ethel Scliar

Anônimo disse...

kakakakakakakakakakakakakakaka
quando eu conseguir parar de rir eu deixo um comentario ...
Muitas coisas similares ...

beijos

Herika disse...

hahaha... já tava rindo de ter dançado quadrilha vestido de menino, mas depois de ler a Ethel perdendo o pivô no primeiro beijo, até chorei de tanto rir...
Como é bom rir da desgraça alheia... :p
Adorei seu blog.
Beijos!!!!

Flávia disse...

Compartilho de vários desses traumas ! Vou ter que escrever um post assim tambem...

Beijinhos traumatizados, mas superados.

Flávia disse...

Esqueci de dizer: eu tenho trauma porque meu pai tinha um Opala diplomata (e tem ateh hoje, o mesmo !).

Beijinhos traumatizados e NAO superados.

clabrazil disse...

Nossa, como nossos traumas sao parecidos!

Adicionaria só ter sido a segunda menina mais feia numa lista cruel na quinta série. Fiquei só atrás da Flavia Lagartixa.
Podre!
Beijos,
Cla

clabrazil disse...

Nossa, como nossos traumas sao parecidos!

Adicionaria só ter sido a segunda menina mais feia numa lista cruel na quinta série. Fiquei só atrás da Flavia Lagartixa.
Podre!
Beijos,
Cla