quarta-feira, 29 de novembro de 2006

Já procurou um psicólogo?


Quem fez terapia já sabe. Logo nas primeiras entrevistas,antes de começar as sessoes propriamente ditas, o terapeuta vai querer saber tudo sobre a sua vida. Provavelmente voce terá que preencher questionários e responder à perguntas que nem voce mesma sabe a resposta.E quanto mais voce souber sobre a sua vida ultra-uterina melhor.
Pois bem,estou eu respondendo à um desses maravilhosos questionários com a Ju.
Quando a mulherzinha sem dó nem piedade vai tascando a sperguntas.
-Vícios. Alguém na família tem algum vício?
Me fiz de boba pensando em ganhar tempo,e nao falar nehuma bobagem...
-Vícios? Como assim ?Que tipo de vícios?
-Bebida,jogos, drogas, coisa desse tipo.
-Bom...uma prima da minha tia, bebia, mas....
-Hmpf!
-Medos, tendencia à depressao, fobias?
Me veio pelo menos metade dos nomes da família à cabeça, mas pra nao parecer que nós somos uma família desequilibrada, respondi entao bem baixinho....
-Bem tinha um cunhado do meu primo por parte de pai que tinha medo de elevador,fora isso, mais nada que eu me lembre...
-Ok. Divórcios, casamentos desfeitos?
Vishi! Se eu contasse pra essa mulher que meu pai e minha mae nunca se casaram ,mas mesmo assim se separaram, que eu sou a 6ª filha do terceiro casamento do meu pai, que era judeu alemao e se casou com uma baiana, as chances de nós sairmos de lá em uma camisa de força eram bem grandes.
-É....meu pai foi casado mais de uma vez, mas veja bem minha senhora, eu sou suuuper bem resolvida.
-Homossexualismo?
-Ahn?!? Bom meu pai tinha um tio que....
-Ok!
-Como foi a gestaçao da sua filha? Foi uma gravidez desejada?
-Desejadíssima minha senhora. Meu filho do meio estava com cinco meses, quando eu engravidei pela terceira vez. O meu filho "mais velho" tinha 14 meses. Quem nao desejaria ter mais um filho diante dessas circunstancias?

-Sei...sei...

-Traumas?

Àquela altura eu tinha certeza absoluta de que ela possuía um botaozinho vermelho debaixo da mesa, que ela apertava quando encontrava famílias como essa.

-Nao, minha senhora, nao tenho um traumazinho sequer. Levei super na boa quando meu pai me botou num aviao e me mandou pra Israel quando eu repeti o primeiro colegial.

Eu adoro psicólogos (minha sogra é terapeuta, nao poderia dizer nada diferente), eles tem o poder mágico de fazer com que voce se sinta "absolutamente "normal.


7 comentários:

Ingrid Littmann disse...

Minha amiga, e que não tem seus traumas??????????

Mas a Ju vai bem???????Ela aceitou fazer terapia na boa? Lembro quando minha mãe morreu, tive esse tempo de terapia mas não resolveu muito não.

Meu problema era a dor da perda, ela continua firme e forte.
beijcoas

Lila disse...

Oi Carla, vim agradecer sua visita!
quando estava prestes a procurar uma terapia conheci os blogs...rs...desde então não precisei mais...
beijos

zero disse...

deixe um comentário no post anterior, e gostaria que desse uma resposta, nos seus possíveis posts lá no blog dos irmãos, no fim de cada post seu, poderia colocar algo, do tipo, para ver mais, visite o meu blog...

zero disse...

estou querendo que novos blogueiros, de diversos lugares do mundo exponham o cotidiano de onde vivem, no Blog Dos Irmãos, adoraríamos se vc fizesse parte, escrevendo sobre a EUA! qualquer dúvida, me escreva! ficaria muito fez se aceitasse o convite...
irmaos@blogdosirmaos.com

doro disse...

Carlinha
Eu diria consciente e responsável , absolutamente! Cada um pelas suas loucuras. Mas , vcs passaram por uma "anamnese"; entrevista onde se coleta dados sobre as "loucuras familiares" e individuais. Abordagem médica.
bjs!!!

marcia kawabe disse...

Hahahaha Carla acho que você é uma daquelas mulheres que não podem passar embaixo de varal com cueca que já fica grávida :)

Bom, vou ter que levar minha mãe em um. Pelo menos ja sei o que me espera.

Flávia disse...

Como eh que eh ? Seus filhos tem 9 meses de diferenca de idade ???? Mulher, jah ouviu falar em "resguardo" ?