segunda-feira, 22 de maio de 2006

Sakrileg/ Código da Vinci


Ontem nós fomos assistir ao Código da Vinci. Eu nao sei qual é o fenomeno,mas aqui nesse país ou pelo menos em Frankfurt, nao tem correria, nem fila, nem D-us nos acuda.
Sei lá se tinham salas suficientes, gente insuficiente mas nao existe pandemonio.
Chegamos no cinema, faltando meia hora pra começar o filme, sem filas, e com lugar marcado.
Comentei com a minha cunhada:
-Voce já imaginou,como é que devem estar as filas lá em Sao Paulo? hahahha.
-Quilométricas, aquele empurra-empurra, eu hein!
-E estacionar o carro entao?
A gente é que é feliz porque vai ver o filme dublado.
Eu jamais imaginei que na minha vida iria sair de casa pra ver o Tom Hanks falando alemao. Mas com exceçao de poucas salas ondes os filmes sao em ingles, só sobra dublado mesmo, isso quer dizer que se voce nao fala alemao, ou se descamba lá pra bem longe, ou fica pelo menos dois anos de castigo sem ir ao cinema.
E com isso nós estávamos com tres amigos debutando em cinema alemao. Logo nesse filme.
-Voce acha que vai entender o filme? Perguntei pra um amigo.
-Ah sei lá, mas e daí? eu quero ver o filme.
-Eu também imagina, nao quero que ninguém me pergunte se eu vi o filme e eu tenha que responder: Eu nao. Afe! Já me basta o Sr. dos anéis.

Pipocas compradas,marido horrorizado com o preço da pipoca e calculando quantos baldes de pipoca daria pra comprar, lá vamos nós.
Eu tenho um problema, e é sério, eu nao consigo ficar de boca calada o tempo todo, Mas o meu marido se superou nessa:
-Eu sei quem é o assassino, Eu sei também quem faz parte da seita, e sei quem matou fulano e quem fez o que pra siclano.
Sei lá o quanto ele tava entendendo mas passou a maior parte do tempo entretido em descobrir "quem fez o que pra quem?"
No início do filme eu comentei, que em Israel havia intervalo nos cinemas, pra horror total dos nossos amigos.
-Imagina, que horror, intervalo, onde já se viu um troço desses? Só em Israel mesmo.
Uma hora e meia de filme depois,somos surpreendidos com um aviso bem grandao na tela:
Faremos uma curta pausa de dez minutos.
Só faltou o :
-Aproveitem pra fazerem seus xixis.

Mals, o intervalo interrompeu o sono do meu irmao Eduardo, mas eu tenho certeza de que ele vai sair por aí dizendo que adorou o filme que é fantástico,coisa e tal.
O problema do intervalo é : O que fazer com ele? Tem que fazer alguma coisa já que é intervalo ,mas o que? Qualquer coisa quebra o clima. Telefonar pras crianças,comprar mais pipoca,fazer xixi.
Mas qualquer uma dessas açoes nos tira do filme e nos traz de volta à sala de cinema.

O filme? Melhor ler o livro antes, senao é muita informaçao de uma vez só e elas podem se confundir ainda mais se for em alemao.
A mocinha, nao tem expressao e nem sentimentos,alguém ainda me perguntou se ela colocou botox,porque os lábios dela mal se mexem ,nem pra cima e nem pra baixo.
E por último, porque aqui na Alemanha o livro/filme se chamam Sakrileg? É meio tétrico nao?

4 comentários:

Carlos disse...

concorco em varios aspectos! hehe beijo carlitcha !

Manoel disse...

Eu não concordo , a mocinha tava maneira!!! mas o intervalo na melhor hora do filme..Fala sério!!!!!!!!!haahahah!!!!! fui

Marcia disse...

Veja pelo lado bom. O Tom Hanks poderia estar falando em japonês :)

Obrigada pela visita ao Namastê :)

Ingrid Littmann disse...

oh! Carla é mesmo o fim aquele intervalitto em Israel, donde veio essa moda?

beijos