sexta-feira, 30 de janeiro de 2009

Mae neurótica - Filho nervoso


Eu nao me classificaria como uma mae hipocondríaca, mas também nao deixo de ser. Nao posso dizer que eu sou normal, mas também nao tao maluca. Negócio é que se alguém espirra , o meu pensamento viaja pro estado final da doença. Se eu tô bem, imagino febroes, infecçao das amígdalas, coisa e tal. Se eu nao estou bem, já passo logo pra fase pneumonia crônica nos dois pulmoes. E nao adianta porque isso nao deve mudar mais, mas confesso que já melhorei muito, o negócio era muitíssimo pior quando as crianças eram pequenas. Vocês imaginam o meu desespero quando me mudei pra uma terra onde os médicos querem curar tudo com chá, muita água e torradas. Tenho que me segurar. Quando saí do Brasil deixei pra trás, os antibióticos de última geraçao (que lógico existem aqui também, mas ninguém sabe ninguém viu, se nao curou com chá entao talvez te prescrevam um desses) exames de rotina, pediatra ao alcance dia e noite, e apesar de muita taquicardia nós sobrevivemos.
Mãe Hipocondríaca – Basta um olhar ou um comportamento diferente e ela quer logo levar os filhos ao médico ou oferece uma aspirina. Sempre tem a cura para todos os males: os do corpo e da alma. Sugere desde comprimidos, chazinhos e o famoso “vou dar um beijinho que sara”. Insiste em muitos cuidados, mesmo que a “doença” seja apenas um mal-estar, cansaço ou ainda uma mera impressão.
Fonte:Revista Enfoque

Mas como eu ainda sou neurótica, nem preciso dizer qual foi a minha reaçao quando o Felipe entra no nosso quarto sábado passado reclamando de dor nas costas.
-Aonde dói exatamente Felipe?
-Aqui nessa bolinha...
-Que bolinha?
-Eu tenho uma bolinha aqui nas costas, mas ela nao doía, só começiu a doer agora nos últimos dias.
Ô gente sabe o que significa uma bolinha nas costas doendo num sábado à noite pra uma pessoa como eu?
Alex como sempre me lança um olhar cheio de lanças e faíscas.

Pausa:
Eu nunca contei que o Alex que nao participa das minhas neuroses e hipocondrias, jé me deixou na porta do hospital com as crianças algumas vezes, (e lógico nao entrou) porque sabia que eles nao tinham nada grave e que tudo nao passava de neurose minha?
Despausa:

Depois do olhar faiscante do Alex tentei me controlar:
-Meu filho quando você tem essas coisas, tem que nos dizer porque pode ser alguma coisa grave, como.......
Alex muito sabiamente nao me deixou falar nada e já foi atropelando as minhas palavras:
-Como um acúmulo de gordura por exemplo, que forma esse tipo de bolinhas, mas tem que operar, tem que tirar ela daí por isso, quando você perceber qualquer anormalidade no seu corpo, tem que nos avisar.
Gente mas que homem inteligente esse meu marido, a minha cabeça estava lá longe "googlando" casos raros da medicina que começavam com bolinhas e ele me sai logo com essa da bolinha de gordura, assim tao rápido e praticamente indolor.
E nao é que ele tinha razao? ERA uma bolinha de gordura, ( um cisto sebáceo) que se formou ali na regiao das costas, nada de grave e já foi devidamente removida, com cirurgia ambulatorial.
Eu estava praticamente sossegada quando ontem o Felipe achou mais DUAS, aí voltei ao ponto inicial da neurose e quis que ele fosse ao médico imediatamente ver o que eram aquelas outras bolinhas, vai ver que essas fossem sim aquelas que eu googlei com a mente...
-E aí Felipe foi ao médico?
-Sim mae!!!
-E?!?
-Como e....? mae? É a mesma coisa oras, você esperava o que?
-Como assim esperava o que? Ué sei lá...nunca se sabe.
-Mae nao é nada, aliás é a mesma coisa de novo, a única coisa chata é que eu vou ter que tirar elas de novo, acredita?
-Lógico meu filho, lógico que acredito...

Sim as bolinhas sao todas enviadas pra análise o que deixa a minha cabeça neurótica mais aliviada.

8 comentários:

Re, Li e Lily disse...

Ai, eu tb "google" tanto quando minha filha apresenta qualquer mínima alteração. Fico aliviada em saber que não sou a única neurótica da blogosfera!
Espero sobreviver no Canadá tomando o famoso e poderoso Tylenol!
Bjs
Renata

Cristiane Figueirêdo disse...

Oi. Meu irmão já tirou duas bolinhas dessas hehe.E uma amiga minha tinha uma.Acho q é bem comum.

Cris

Marcia disse...

Eu não sou tão neurótica quanto você, mas é só ler os efeitos colaterias na bula de algum remédio que eu esteja tomando, que cinco minutos depois eu to sentindo tudo que tá escrito lá, hahaha

Phophina disse...

eu coleciono essas bolas (já foram bolinhas) nas minhas costas, mas só que nao quero entrar na faca. Já tirei uma do tamanho de uma ameixa e fiquei com uma cicatriz medonha... Tem umas que nao crescem.

Ana disse...

Eu espremi duas de um dos meus ex maridos. Fedia a podre - devia ser reflexo da alma dele, sabe-se lá.

Agora, posta aqui o resultado da análise. Eu sou fã de exames, de remédio...são outros quinhentos. o.O Não tomo nem Tylenol, deixo tudo doer.

Bjos

Ciça Donner disse...

Ai meus Deuses... dá pra acreditar que essa mulher tem 4 filhos??? Tipo assim: vai googlar muita coisa mentalmente ainda hahahahaha

Carla, o "meu" pediatra falou certa vez com TODAS AS LETRAS: "pare de fazer pesquisas na internet, por favor". Arri égua, já era a terceira ingua do Manrique. Nao pode ser normal um menino tao inguento!

Srta.T disse...

Meus pais não são assim normalmente, a não ser quando tô em crises de enxaqueca... acho que por nenhum deles ter o problema e minha tia (neurologista) ter dito que a dor é fortíssima, eles ficam desesperados quando eu reclamo. Ainda bem, porque tem vez que só no hospital que se resolve o problema mesmo.

Ah, e queria agradecer teus comentários, tanto no meu blog como em outros, sempre tão bacanas comigo. Confesso que tava meio chateada com os últimos acontecimentos, mas você e a Ana me deram um "up". Obrigada!
Beijos!

Flávia disse...

Carla Esther,

Depois de anos achando que você era minha alma gêmea na Alemanha, vejo que estava enganada. Eu já acho que qualquer tumor imenso é somente uma espinha inflamada.

Que bom que mudou para a Alemanha, senão, coitados dos filhos... E do pediatra!

Beijinhos.